segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Das pessoas e suas fases

Paulo Tigre não gostava de polenta.

Nem de comida de ontem.

Nem de gordurinha na carne, nem de nervinho.

Vinagre?
"-E quem quer saber de água azeda?"

Paulo Tigre nunca lavou uma parede. Nem nunca trocou a roupa de cama. Nem havia cozinhado comida de verdade. De verdade, eu digo! Arroz com carne! Feijão! Estrogonofe! Cebola! Alho! Feijão! Feijão!

Era virgem de sabão em pó, vassoura-e-pá, esponja de aço, colher de pau, tanque...

E ÔNIBUS! O RAPAZ NUNCA PEGOU UM ÔNIBUS SOZINHO!

...E foi morar sem os pais
e gostou da coisa.

Acorda, toma café e vive nas aulas. E morre em casa.


Tem tesão pela louça suja.

Um comentário:

diegoaraujo.alemao disse...

Seu texto, muito humorado e cotidiano, me lembrou um livro que li estes tempos "Histórias do Analista de Bagé", de Luiz Fernando Veríssimo.

Diego.